Estudante da UESPI desenvolve pesquisa sobre dengue, zika vírus e chikungunya
05/11/2019 13:15

O estudante Danilo Rafael da Silva Fontinele, do sétimo período de Medicina,  e a Profa. Dra. Liline Maria Soares Martins, da Universidade Estadual do Piauí – UESPI, desenvolveram a pesquisa sobre o “uso de marcadores sorológicos e moleculares na investigação de dengue, zika vírus e chikungunya em pacientes com suspeita clínica”.

A pesquisa busca demonstrar a importância do problema, sobretudo, quanto a correta investigação laboratorial dos casos suspeitos, a fim de permitir um diagnóstico cada vez mais seguro e precoce. Além disso, permitir um prognóstico  dos pacientes e a redução de gastos públicos.

Segundo os pesquisadores, as arboviroses são atualmente um dos problemas de saúde pública mais relevantes a nível global, com consequências clínicas e econômicas preocupantes. “Com a circulação simultânea dos quatro sorotipos de dengue (DENV1, DENV2, DENV3 e DENV4) e dos vírus Chikungunya e Zika, é um desafio para a assistência e também para a vigilância. As doenças possuem sinais clínicos similares, dificultando a suspeita inicial e, consequentemente, impactando as notificações, as quais, até o momento, superestimam a dengue e subestimam as demais”, afirmam.

A coleta dos dados ocorreu por meio da análise de 160 fichas de investigação e 5.903 solicitações de exames sorológicos e moleculares, obtidos no Sistema Gerenciador de Ambiente Laboratorial (GAL) do laboratório.

O trabalho concluiu que a arbovirose de maior notificação foi o DENV, sendo a maioria dos pacientes procedentes do município de Teresina, chamando a atenção para a baixa notificação nos demais municípios do Piauí. Os casos suspeitos foram mais frequentes no sexo feminino, em pacientes com idade média de 29 anos. Os sintomas mais comuns foram febre e mialgia.

Ao analisar os marcadores foi verificado como a investigação dessas arboviroses ocorre no Estado e caracterizaram o perfil epidemiológico dos casos. A metodologia de ELISA/IgM ou IgG foi o método que diagnosticou laboratorialmente a maioria dos casos. Quanto a análise molecular (RT-qPCR/RNA) foi observado uma baixa detecção para as três arbovirose investigadas, de acordo com os pesquisadores, isso se deve provavelmente a coleta da amostra biológica após o 5º dia de sintomas, onde a viremia está baixa.

Foi destacado a carência de informações do sistema de vigilância em saúde, escassez de fichas de investigação epidemiológicas e dados clínicos sobre a evolução dos mesmos, dificultando a elaboração e direcionamento de políticas públicas para o controle das arboviroses e consequentemente diagnóstico oportuno, tratamento e redução das arboviroses.

A pesquisa ressalta a importância de um treinamento adequado das equipes da atenção básica, para que os casos de arboviroses sejam acompanhados e tratados adequadamente, sem perda do seguimento dos pacientes. Essa estratégia possibilitará a redução dos altos índices de arboviroses que persistem em nosso meio, a diminuição de recém-nascidos infectados por arbovírus e, consequentemente, das sequelas irreversíveis que estas arboviroses possam ocasionar como microcefalia e doenças neuroinvasivas.

Danilo Fontinele faz parte do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica – PIBIC. “É uma grande oportunidade fazer o que amamos com apoio e incentivo da universidade”, ressalta.

FONTE: https://www.uespi.br/site/?p=127790

Av. Mal. Castelo Branco, 201 - Cabral - Teresina/PI (86) 3133-3022 Copyright © 2019 - Assembleia Legislativa do Piauí