Alepi

A ASSEMBLEIA | GALERIA DE FOTOS | WEBMAIL | NOTÍCIAS | OUVIDORIA | Organograma |
06-02-18 13:58

Robert faz denúncia e parabeniza presidente em dois minutos

Na volta do recesso, o deputado Robert Rios (PDT) usou do tempo de dois minutos, nesta manhã de terça-feira (06) para fazer uma denúncia, mas antes parabenizou o presidente da Casa, o deputado Themístocles Filho (MDB), sobre sua ida a Brasília, onde esteve em audiência com o presidente da República, Michel Temer, juntamente com o presidente nacional da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (UNALE), o deputado Luciano Nunes (PSDB).


Ele disse ainda que é no período de recesso que os deputados mais trabalha, quando visitam suas bases, ouvem as reclamações das populações e de volta, trazem uma “mala” de problemas, para serem dados os devidos encaminhamentos.


Em se tratando especificamente da denúncia, Robert Rios disse que nesta terça-feira, recebeu em seu gabinete, uma comissão, que veio até ele fazer uma denúncia de uma gravidade, segundo ele, monstruosa. De acordo com o parlamentar, a denúncia é a de que um prefeito do PT, que está sendo investigado por um delegado concursado, de Polícia Civil, no Sul do Estado, e que o delegado já estando com todas as provas carreadas para os autos e com as provas materiais dos crimes praticados pelo prefeito investigado, quando, o delegado Geral de Polícia Civil, avocou o inquérito, sob a alegação de que a GRECO, que é especializada, faria melhor.


“O delegado encarregado do caso argumentou que a investigação já estava em processo final, com tudo já comprovado e o delegado geral questionou que o delegado encarregado do caso estava desobedecendo uma ordem. Eu vou apurar isso e se for verdade, nós iremos ao Ministério Público e ao Poder Judiciário, e se preciso, pedir até a prisão do delegado Geral de Polícia Civil”, disse Robert Rios.

O parlamentar enfatizou que o delegado Geral não pode usar o cargo de delegado Geral para segurar podridão e patifarias do Governo. E que se o prefeito é inocente ou culpado, quem deve avaliar a questão é o Ministério Público e o Poder Judiciário.


“Um delegado de polícia concursado, não poder mais investigar e concluir um inquérito porque é do partido do governador e o delgado Geral avocar um inquérito, isso é um crime contra a administração pública, o Poder Judiciário e contra o Ministério Público. Eu espero que o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) órgão do Ministério Público que tem sido tão atuante, no Piauí, comece a acompanhar essa investigação, contra esse prefeito do PT”, finalizou o deputado Robert Rios. 

 

 

Lindalva Miranda - Edição: Caio Bruno



 



Av. Mal. Castelo Branco, 201 - Cabral - Teresina/PI (86) 3133-3022 
Copyright © 2013 - Assembleia Legislativa do Piauí