Flávio Júnior defende prioridade também para portador de diabetes
08/11/2019 09h51

 

O deputado Flávio Nogueira Júnior (PDT) apresentou um projeto de lei na Assembleia Legislativa tornando prioridade às pessoas portadoras de diabetes nos órgãos públicos, estabelecimentos comerciais e instituições financeiras, em compatibilidade com os mesmos direitos dos idosos, deficientes e gestantes. Para que o atendimento ocorra, o portador de diabetes deverá apresentar documento médico que comprove a patologia.
Explica o parlamentar que um estudo realizado pela Associação dos Diabéticos do Piauí apontou que cerca de 200 mil pessoas sofrem com a doença no Estado. Entre 2010 e 2016 o diabetes já vitimou com óbitos 8.375 pessoas no Piauí. De acordo com o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde o número cresceu 23,7% no período, saindo de 1036 mortes para 1.822 em 2016. Dados do Sistema de Informações Hospitalares indicam que as internações mantiveram-se estáveis: foram 3.935 em 2010 e 3.991 em 2016.
“De acordo com o relato da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), na cidade de Teresina todos os laboratórios e clínicas que fazem exame não há uma preocupação com horário da realização do procedimento principalmente nas clínicas que fazem ultrassom, que precisam ser em caráter de regime total. Alguns chegam a passar por uma hipoglicemia por ter que aguardar muitas vezes até dez horas da manhã e ainda estar na fila do exame de abdome total e sem ter ingerido alimentação alguma”, explica o deputado, que também é médico.
O diabetes é um dos problemas de saúde pública mais graves não só por conta da sua alta incidência que hoje chega a 10% da população, com tendência ao aumento, devido ao envelhecimento da população e a epidemia da obesidade. “O diabetes pode provocar complicações sérias, como doenças cardiovasculares, infarto, AVC, e até mesmo a retinoplastia, uma doença ocular grave”, diz.
Mal estar, visão turva, sudorese, fome intensa, taquicardia e alteração do nível de confiança são recorrentes em pessoas com nível de glicose abaixo dos 60mg/dL. Os valores ideais situam-se entre 70mg/dL e 99mg/dL. Em alguns casos existe até mesmo a possibilidade de amputação dos membros inferiores.
Durvalino Leal

O deputado Flávio Nogueira Júnior (PDT) apresentou um projeto de lei na Assembleia Legislativa tornando prioridade às pessoas portadoras de diabetes nos órgãos públicos, estabelecimentos comerciais e instituições financeiras, em compatibilidade com os mesmos direitos dos idosos, deficientes e gestantes. Para que o atendimento ocorra, o portador de diabetes deverá apresentar documento médico que comprove a patologia.
Explica o parlamentar que um estudo realizado pela Associação dos Diabéticos do Piauí apontou que cerca de 200 mil pessoas sofrem com a doença no Estado. Entre 2010 e 2016 o diabetes já vitimou com óbitos 8.375 pessoas no Piauí. De acordo com o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde o número cresceu 23,7% no período, saindo de 1036 mortes para 1.822 em 2016. Dados do Sistema de Informações Hospitalares indicam que as internações mantiveram-se estáveis: foram 3.935 em 2010 e 3.991 em 2016.
“De acordo com o relato da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), na cidade de Teresina todos os laboratórios e clínicas que fazem exame não há uma preocupação com horário da realização do procedimento principalmente nas clínicas que fazem ultrassom, que precisam ser em caráter de regime total. Alguns chegam a passar por uma hipoglicemia por ter que aguardar muitas vezes até dez horas da manhã e ainda estar na fila do exame de abdome total e sem ter ingerido alimentação alguma”, explica o deputado, que também é médico.

O diabetes é um dos problemas de saúde pública mais graves não só por conta da sua alta incidência que hoje chega a 10% da população, com tendência ao aumento, devido ao envelhecimento da população e a epidemia da obesidade. “O diabetes pode provocar complicações sérias, como doenças cardiovasculares, infarto, AVC, e até mesmo a retinoplastia, uma doença ocular grave”, diz.

Mal estar, visão turva, sudorese, fome intensa, taquicardia e alteração do nível de confiança são recorrentes em pessoas com nível de glicose abaixo dos 60mg/dL. Os valores ideais situam-se entre 70mg/dL e 99mg/dL. Em alguns casos existe até mesmo a possibilidade de amputação dos membros inferiores.

Durvalino Leal - Edição: Katya D'Angelles

Av. Mal. Castelo Branco, 201 - Cabral - Teresina/PI (86) 3133-3022 Copyright © 2019 - Assembleia Legislativa do Piauí