Parlamentares repercutem a operação da Polícia Federal em Teresina e Brasília
29/07/2020 13h57

O deputado estadual Ziza Carvalho (PT) usou o tempo de três minutos dando sequência ao que outros colegas já tinham dito em solidariedade ao governador Wellington Dias e à deputada  Rejane Dias, pelo que chamou de "invasão" de sua residência pela Polícia Federal na terceira fase da Operação Topique.  O deputado disse que está muito claro que a PF age por ordem direta do presidente Jair Bolsonaro.

Ziza aproveitou para se solidarizar  com o presidente Themístocles Filho, que está com familiares afetados pelo Covid-19. Franzé Silva (PT) foi outro que igualmente se solidarizou com o governador e a primeira-dama, com o mesmo raciocínio de que é o presidente da República quem está determinando as buscas e apreensões em residências de autoridades da oposição nos estados.

O deputado petista lamentou que a oposição na Assembléia Legislativa tente repassar para a opinião pública como fato consumado algo o que ainda está sendo investigado, inclusive levantando suspeitas de que os recursos de precatórios venham a ser usados de forma ilícita. Enquanto isso, nenhum deputado da oposição fez qualquer referência a reprovação de prestação de contas do prefeito Firmino Filho pelo Tribunal de Contas do Estado.

O deputado João de Deus (PT) desejou recuperação rápida de familiares do presidente Themístocles Filho, que foram infectados pela Covid-19. E repercutyiu a operação da Polícia Federal em Teresina e em Brasília. João de Deus lembrou que foi o governador Wellington Dias levou o transporte escolar as todos os municípios do Piauí. E lamentou que a oposição considere a investigação, que ainda não foi julgada, como fato consumado. O deputado disse considerar o governador Wellington Dias uma pessoa honesta e que sempre atuou em benefício da educação e da aplicação correta de seus recursos.

Paulo Martins (PT), também nos três minutos, se solidarizou com o presidente Themístocles Filho pelos familiares internados com o Covid-19. E também comentou a operação da Polícia Federal contra o governador. Martins lembrou uma investigação em Campo Maior, na época em que ele era prefeito. Exibindo documento sobre licitação e preços no transporte de alunos, Paulo Martins concluiu sua fala afirmando que em torno dessa operação há pessoas maldosas, como nos meios de comunicação, que divulgam apenas o um lado da história, justamente o lado negativo.

Raimundo Cazé – Edição: Katya D’Angelles.

Av. Mal. Castelo Branco, 201 - Cabral - Teresina/PI (86) 3133-3022 Copyright © 2019 - Assembleia Legislativa do Piauí